Sobre abacates, átomos e o porquê criei este blog

Ao leitor interessadíssimo, devo dizer que este blog é destinado a divulgação científica.

Não se precipite pensando que daqui decorrerão textos complicadíssimos ou até mesmo indecifráveis por se tratar de um blog sobre assuntos científicos. Pelo contrário. Tentarei demonstrar a beleza do que vemos todos os dias e não nos damos conta.

De começo, vou saciar a curiosidade de quem está se perguntando o porquê do ”Química e Abacate”. Solicito que façam uma rápida pesquisa no Google com o termo “Química e Abacate”. Dois dos títulos que apareceram quando fiz a procura são:

  • Composição química e perfil de ácidos fenólicos de semente de abacate das variedades Wagner e Prince;
  • Caracterização Física e Química de Frutos de Abacate;

Se você estava animado e leu algum dos artigos, viu que o abacate é a fonte de estudos de alguns pesquisadores. Imagino que o leitor não fazia ideia que abacates são a matéria prima da pesquisa de cientistas, e com isso eu só gostaria de demonstrar que até abacates possuem uma aplicação para a ciência.

Muito bem, agora devo falar a verdade que aquela que vos escreve também não sabia, e que entre as muitas opções de nome que me surgiram para o blog, química e abacate me pareceu a menos tediante, e como não tive criatividade para um bom nome, pelo menos despendi algum esforço para alguma explicação.

O subtítulo, porém, é mais interessante. O autor da frase é o astrônomo e cientista Carl Sagan, que foi um grande divulgador da ciência, escreveu dezenas de livros (que provavelmente recomendarei no futuro) e coordenou um documentário chamado Cosmos na década de 80, do qual retirei a frase. A partir dela, Sagan introduz um dos episódios que conta como são formados os átomos que compõem você, eu e o universo. Abaixo está o link para o episódio e essa é a minha grande recomendação com este post.

Anúncios